Exposição Arte Contemporânea RS

ARTE CONTEMPORÂNEA RS

Na arte contemporânea todos os meios de expressão artística se equivalem e se articulam em complexa convivência, possibilitando que objetos oriundos de diferentes campos sejam integrados, por meio de inúmeras estratégias, ao circuito artístico. O resultado é um panorama muito diversificado, com obras difíceis de classificar, que se aproximam do banal, que substituem o resultado acabado pelos documentos do processo de trabalho e que adotam o hibridismo como proposta estética, estabelecendo novos paradigmas. 

Para a exposição de lançamento do Catálogo de Obras do MACRS foram selecionadas obras de artistas com importante contribuição inovadora ao cenário da arte contemporânea, estabelecendo diálogos das cenas local, nacional e internacional. As obras foram organizadas em quatro grandes grupos, para dar visibilidade aos vários momentos de constituição deste acervo.

O primeiro abrange os anos 1970 e 1980, quando, de forma lenta e gradual, a arte contemporânea se introduziu no sistema da arte no Rio Grande do Sul; o segundo, dos anos 1990, quando essa produção começou a se consolidar no meio local, com o apoio de novas instituições; o terceiro, dos anos posteriores a 2000, momento em que essas práticas se tornaram hegemônicas e quantitativamente relevantes, espraiando-se e se diversificando no panorama artísticorio-grandense. No quarto estão produções de videoarte, prática representativa presenteno acervo, preponderantemente originárias dos anos 2000. Na exposição,entretanto, as obras não seguem essa cronologia, estão dispostas a partir de possíveis diálogos que se estabelecem entre elas, oferecendo inúmeros percursos para serem desfrutados.

A mostra coloca em evidência aspectos fundamentais do perfil do acervo do MACRS, destacando obras que marcam significativamente mudanças de perspectiva na produção artística, por suas estratégias, seus recursos materiais, formais ou de conteúdo. Obras que rompem com a visualidade modernista preponderante por um longo período, criando fissuras no sistema da arte local que evidencia tendências conservadoras. Em seu conjunto, a exposição mostra que a arte contemporânea tem muito a dizer sobre o nosso tempo. Precisamos estar abertos às novas experiências que ela nos traz.

Maria Amelia Bulhões
Curadora

VÍDEO DA EXPOSIÇÃO

VÍDEO DA EXPOSIÇÃO COM TRADUÇÃO EM LIBRAS

ARTISTAS DA EXPOSIÇÃO

Alberto Semeler 
Alex Topini 
Alfredo Nicolaiewsky 
Ana Norogrando
André Severo
Andressa Cantergiani 
Ângelo Venosa
Bruno Borne
Carla Borba
Carlos Fajardo 
Carlos Pasquetti
Carlos Vergara
Cildo Meireles 
Claudia Paim
Clóvis Dariano
Denise Gadelha
Dirnei Prates 
Eduardo Haesbaert
Eduardo Kac
Elaine Tedesco 
Élle de Bernardini
Felix Bressan
Frantz
Gelson Radaelli
Gil  Vicente
Gisela Waetge
Gonzalo Mezza 
Hélio Fervenza 
ÍO ⁄ Laura Cattani, Munir Klamt
Irineu Garcia
Isabel Ramil
Jorge Menna Barreto
Karin Lambrecht
Lenir de Miranda 
León Ferrari
Lia Menna Barreto
Lucia Koch
Luiz Carlos Felizardo 
Luiz Roque
Maria Helena Bernardes
Maria Lídia Magliani 
Maria Lucia Cattani
Marina Camargo
Marion Velasco
Maristela Salvatori
Milton Kurtz
Nelson Leirner
Nelton Pellenz
Nuno Ramos 
Patrício Farias
Paulo Bruscky 
Paulo Nazareth
Rafael Pagatini
Regina Silveira 
Rochelle Costi
Rodrigo Braga
Romanita Disconzi
Rommulo Conceição
Romy Pocztaruk
Rosângela Rennó
Sandra Rey
Sandro Ka
Shirley Paes Leme
Teresa Poester
Teti Waldraff
Túlio Pinto
Vera Chaves Barcellos 
Walmor Corrêa
Xadalú Tupã Jekupé 
Yuri Firmeza
 

OBRAS DA EXPOSIÇÃO

GALERIA SOTERO COSME

ESPAÇO VASCO PRADO

GALERIA XICO STOCKINGER

A visitação presencial será a partir de 04 de maio, mediante agendamento prévio no email visitaccmq@gmail.com

FICHA TÉNICA EXPOSIÇÃO
ARTE CONTEMPORÂNEA RS

CURADORIA
MARIA AMELIA BULHÕES

PRODUÇÃO E PROGRAMAÇÃO VISUAL
VERA PELLIN

PROJETO EXPOGRÁFICO
CARLA PELLIN D’ÁVILA

COORDENAÇÃO DE MONTAGEM
FELIPE SCHULTE QUEVEDO

IMPRESSÃO DIGITAL
SEVEM COMUNICAÇÃO VISUAL
DIEGO PETER